Imagem Principal
Imagem
O cara que viveu com os Beatles
O cara que viveu com os Beatles
Foto do autor Luiz Antonio Mello Luiz Antonio Mello
Por: Luiz Antonio Mello Data da Publicação: 13 de janeiro de 2024FacebookTwitterInstagram

Não é o maestro e produtor George Martin, chamado de quinto Beatle.

Estou relendo a autobiografia de Geoff Emerick (1945-2018), britânico que desde os 16 anos trabalhou como assistente de engenharia de som nos estúdios Abbey Road. 

Ele sentava à direita de George Martin e gravou tudo da banda, do parto até a pá de cal. Em “Revolver” foi promovido a engenheiro de som, frequentou a casa de Paul McCartney (se eu tivesse estado com Macca iria perguntar sobre ele), e também a de John, enfim, viveu dentro dos Beatles.

Semanas depois de fazer palestras e workshops em Porto Alegre (sim, aqui mesmo no Brasil), Emerick morreu de ataque cardíaco em outubro de 2018, em Los Angeles.

Seu despretensioso livro “Here, There and Everywhere – Minha vida gravando os Beatles”, totalmente esgotado, (só dá para encontrar na Estante Virtual ou ler em e-book da Amazon), é um valioso testemunho de um homem que viu e ouviu tudo. Literalmente.

Com o fim do grupo, em 1970, ele fez a engenharia de som para álbuns antológicos como “Band of the Run”, do Wings (as gravações na caótica, árida e infernalmente quente Lagos, na Nigéria, foram impressionantes), mas trabalhou também com Elvis Costello, Supertramp, Bad Finger, Cheap Trick, Nazareth, Chris Bell, Split Enz, Trevor Rabin, Nick Heyward, Big Country, Gentle Giant, Mahavishnu Orchestra, Ultravox, Matthew Fisher, Kate Bush, Jeff Beck e outros.

Lógico que os pesquisadores de Beatles e beatlemaníacos em geral já sabem de tudo, mas Geoff conta, por exemplo, que os Beatles tinham nojo, ódio, horror dos cultuados estúdios Abbey Road, segundo ele gigantescos caixotes com luz industrial, fedendo a mofo, desconfortáveis, tecnicamente ultrapassados e de um baixo astral generalizado.

Sua dona, a EMI (fechou nos anos 2000), era um paquiderme muito parecido com as empresas estatais brasileiras. Cheia de regras, normas, regulamentos, mas andava se arrastando. O ódio dos Beatles foi tanto que sempre que podiam eles iam gravar no Trident ou no Olympic. O autor do livro diz que Abbey Road simboliza a pancadaria entre os quatro Beatles.

Por exemplo, o álbum “Abbey Road” ia se chamar “Everest”, mas o custo de levar a banda até o monte para fazer as fotos de capa e divulgação tornou o nome inviável. Foi quando Ringo Starr sugeriu algo do tipo “bota o nome dessa rua mesmo”, e nasceu o título Abbey Road. Não só do álbum. O estúdio se chamava EMI Studios mas diante do sucesso do disco mudou para Abbey Road.

A sessão de fotos para a capa, ícone da cultura pop, durou 20 minutos. Como os músicos mal se falavam (Paul e George estavam a beira da troca de granadas) fizeram a foto ali mesmo, na rua. O fotógrafo Ian Macmillan foi chamado e eles saíram numa manhã de sol. Muito simples. Aliás, o livro mostra que era tudo muito simples. Nós é que complicamos.

Desde as primeiras gravações a relação entre Paul e George não era boa. Geoff afirma categoricamente que o guitarrista não sabia tocar direito e, por isso, Paul o substituiu em vários momentos. George ficou tão enfurecido que passou a ser o último a chegar e primeiro a ir embora das gravações.

Ele praticamente não participou de “Sgt. Pepper”. A tal ponto que quando terminaram a exaustiva gravação de “A Day in the Life”, no dia seguinte Lennon disse para Harrison “parabéns, George. você perdeu a gravação de nossa melhor música”.

O autor do livro diz que George viu nos instrumentos indianos uma fuga, uma forma de desenvolver o seu gigantesco talento, mas reconhece que a partir do “Álbum Branco” ele amadureceu, evoluiu e se tornou um dos grandes guitarristas do mundo, mestre da slide guitar.

Por falar em “Álbum Branco”, o que não falta é bizarrice. Para não se verem, os Beatles gravaram em três estúdios da Abbey Road, cada um em um. Ringo ficava alternando. Poucas semanas antes, John e Yoko sofreram um grave acidente de carro na Escócia e quando chegou, o casal quis colocar a carcaça do carro destruído em frente à sua casa como uma escultura.

Geoff Emerick lembra que numa tarde, vários homens de macacão apareceram no estúdio um, onde os Beatles gravavam o “Álbum Branco”. Ninguém entendeu quando os homens transportaram um grande objeto embrulhado que acharam ser um piano. No uniforme deles constava a logomarca da 'Harrods', uma das maiores lojas de departamento do mundo onde se encontra de tudo, de picanha fatiada a calota de Kombi. 

Os homens desembrulharam uma...cama. Cama para Yoko Ono repousar por causa do acidente, colocada no estúdio. Como não desgrudava de John (Geoff conta que iam até ao banheiro juntos), ela recebia amigos de um lado enquanto os Beatles tentavam gravar do outro. O tormento Yoko Ono tem dezenas de episódios inacreditáveis.

Lennon estava viciado em heroína na fase “Álbum Branco”. Tanto que depois da gravação foi se tratar e compôs “Cold Turkey”, apelido das crises de abstinência sem a heroína.

No meio das gravações do “Álbum Branco”, diante de tanto azedume, baixarias e falta de respeito entre os Beatles, Geoff Emerick se demitiu do disco. O único que foi tentar demovê-lo foi John, que quase implorou, falando da importância do engenheiro para a banda desde o início, etc.

Era uma quarta-feira e Emerick foi pescar. Só retornou a EMI numa segunda feira para trabalhar com outros artistas. Muitos meses depois para salvar “Let it Be” e gravar “Abbey Road”. 

“Let it Be”. A EMI contratou Glyn Johns para produzir algumas faixas, mas não gostaram e ele foi demitido. George Martin, cada vez mais acuado, cansou de tentar apagar os incêndios. 

Foram gravar no estúdio Trident e semanas depois, quando ouviram as gravações em Abbey Road o som estava péssimo. Um desesperado Paul McCartney caçou Geoff Emerick que disse que muita coisa teria que ser refeita. 

Chamaram Phil Spector que tentou, tentou mas acabou engavetando “Let it Be”. Partiram para a gravação de “Abbey Road”, mas já sem Lennon. Geoff voltou a engenharia de som e salvou “Let it Be.”

O livro traz, também, muitas informações técnicas importantes. Por exemplo, antes de começar a gravar “Revolver”, Geoff  sugeriu que Paul McCarteney substituíssem seu baixo alemão Hofner, aquele com formato de violino, por um Rickenbacker, bem mais potente. 

Macca adorou e passou a usar o Backer nas gravações a partir dali. Ele diz que o empenho quase neurótico de Paul McCartney e o som do Rickenbacker fizeram com que os Beatles tivessem o melhor som de baixo em gravações de discos de rock.

O jornalismo chama de fonte primária pessoas que foram atores dos fatos. A história de Geoff Emerick é importante para quem gosta, conhece e até é fanático pelos Beatles. Um livro que testemunha a intimidade da banda genial que ajudou a mudar a história do Século 20.

Relacionadas