Em nove meses, Estado apreendeu o maior número de fuzis dos últimos 16 anos
Os crimes contra o patrimônio registraram quedas expressivas em setembro
Em nove meses, Estado apreendeu o maior número de fuzis dos últimos 16 anos
Foto do autor Gabriel Ferreira Gabriel Ferreira
Por: Gabriel Ferreira Data da Publicação: 20 de Outubro de 2023FacebookTwitterInstagram
Foto: Divulgação

De janeiro a setembro deste ano, as forças estaduais de segurança retiraram das mãos de criminosos 4.980 armas de fogo. O número de fuzis apreendidos aumentou 27%, totalizando 487. Por dia, as polícias realizaram 103 prisões em flagrante e recuperaram, em média, 40 veículos roubados. É importante destacar também que outros indicadores criminais registraram números positivos.

Os crimes contra o patrimônio, como roubo de carga, veículo e rua, continuaram em queda no estado do Rio de Janeiro. O roubo de carga caiu quase pela metade no nono mês do ano, foram 178 roubos em 2023 contra 348 no mesmo período em 2022, representando uma diminuição de 49% - este foi o menor número de casos para o mês nos últimos 24 anos.

No acumulado do ano, a redução foi de 12%. Os roubos de veículo e de rua (roubo a transeunte, em coletivo e de aparelho celular) diminuíram, respectivamente, 22% e 20% no mês. Na análise da série histórica mensal, foram os menores valores para roubos de rua desde 2004 e para os roubos de veículos desde 2011.

"Os indicadores de segurança mostram que estamos no caminho certo. Reduzimos os crimes contra a vida, contra o patrimônio e, somando os nove primeiros meses do ano, tivemos o maior número de fuzis apreendidos nos últimos 16 anos. Nossa política de segurança atua fortemente para prender lideranças e fazer uma asfixia financeira das organizações criminosas. As nossas polícias são competentes, preparadas e equipadas para isso", destacou o governador Cláudio Castro.

No último mês, as mortes por intervenção de agente do Estado apresentaram queda de 57% em relação a setembro de 2022, o menor número de mortes dos últimos 11 anos. No acumulado do ano, o indicador também registrou resultados expressivos, com uma diminuição de 29%. Os crimes contra a vida (homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte, roubo seguido de morte e morte por intervenção de agente do Estado) atingiram reduções de 8% no mês e 2% no acumulado. O indicador registrou o menor número de vítimas para o ano desde o início da série histórica, em 1991.

"A divulgação dos dados da segurança pública é essencial para que as polícias Civil e Militar aloquem seus recursos de forma mais qualificada. Quando aliamos as estatísticas e a integração entre as polícias com o uso da inteligência e da tecnologia, notamos o impacto positivo nos indicadores da segurança pública", analisou a diretora-presidente do Instituto de Segurança Pública, Marcela Ortiz.

Principais indicadores:

Letalidade violenta: 330 mortes em setembro de 2023. Na comparação com setembro de 2022, o indicador registrou redução de 8%. No acumulado do ano, a diminuição foi de 2%. Foi o menor número de vítimas para o período desde o início da série histórica, em 1991.
Mortes por intervenção de agente do Estado: 37 mortes em setembro de 2023. Este foi o menor número de mortes para o mês desde 2012. Na comparação com setembro de 2022, o indicador registrou redução de 57%. No acumulado, a diminuição foi de 29%. Foi o menor número de mortes para o acumulado desde 2016.

Roubo de rua (roubo a transeunte, de aparelho celular e em coletivo): 4.221 casos em setembro de 2023. Este foi o menor número de roubos para o mês desde 2004. Na comparação com setembro de 2022, o indicador registrou redução de 20%. No acumulado, a diminuição foi de 18%. Foi o menor número de roubos para o acumulado desde 2005.

Roubo de carga: 178 casos em setembro de 2023. Este foi o menor número de roubos para o mês desde 1999. Na comparação com setembro de 2022, o indicador registrou redução de 49%. No acumulado, a diminuição foi de 12%. Foi o menor número de roubos para o acumulado desde 2013.

Roubo de veículo: 1.710 casos em setembro de 2023. Este foi o menor número de roubos para o mês desde 2011. Na comparação com setembro de 2022, o indicador registrou redução de 22%. No acumulado, a diminuição foi de 9%. Foi o menor número de roubos para o acumulado desde 2011.
Armas apreendidas: 4.980 apreensões nos nove meses do ano. Por dia, 18 armas de fogo foram retiradas de circulação.

Fuzis apreendidos: 487 apreensões nos nove meses do ano. No comparativo com  o mesmo período de  2022, o delito registrou aumento de 27% no acumulado. Por dia, cerca de 2 fuzis foram retirados de circulação.

Prisão em flagrante: 28.222 prisões em flagrante nos nove meses do ano. No comparativo com o mesmo período de 2022, o delito registrou aumento de 9% no acumulado. As polícias prenderam, por dia, 103 pessoas.

Recuperação de veículos: 10.979 veículos recuperados nos nove meses do ano. No comparativo com o mesmo período de 2022, o delito registrou aumento de 14% no acumulado. Diariamente, 40 veículos foram recuperados.

Apreensão de drogas: 17.069 drogas apreendidas nos nove meses do ano. No comparativo com o mesmo período de 2022, o delito registrou aumento de 9% no acumulado. Foram 104 apreensões por dia.

Os dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública são referentes aos Registros de Ocorrência (ROs) lavrados nas delegacias de Polícia Civil do Estado do Rio durante o mês de setembro.

Relacionadas