Imagem Principal
Imagem
Brasil tem a 2ª maior taxa de juro real do mundo, diz levantamento
Índice é formado pelo juro nominal menos a previsão da inflação para os próximos 12 meses
Brasil tem a 2ª maior taxa de juro real do mundo, diz levantamento
Foto do autor Redação Redação
Por: Redação Data da Publicação: 20 de junho de 2024FacebookTwitterInstagram
Fonte: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Após a decisão do Comitê de Políticas Monetárias (Copom) do Banco Central de manter a Taxa Selic em 10,5% ao ano, o Brasil continua a ter o segundo maior juro real do mundo, perdendo apenas para a Rússia em uma lista com 40 economias. 

O levantamento foi realizado pela plataforma MoneYou.

Segundo a pesquisa, a taxa de juros real do Brasil fica em torno de 6,79% ao ano, atrás apenas dos 8,91% da Rússia. 

O juro real é formado, entre outros pontos, pela taxa de juros nominal do país subtraída a inflação prevista para os próximos 12 meses.

A medida do comitê recebeu críticas do setor produtivo. Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a decisão do Copom foi inadequada e excessivamente conservadora.

A Firjan também informou que o fim dos cortes limita as possibilidades de investimento no país.

O Brasil chegou a ter a maior marca de juro real do mundo, mas foi superado pelo México em dezembro do ano passado. 

Na última divulgação, em 8 de maio, o país já ocupava a segunda colocação da lista. 

A combinação de inflação menor e cenário externo positivo ajudou no fechamento de uma taxa real de juros mais baixa, informou o MoneYou.

A Argentina continuou com o último lugar no ranking. O país perdeu para a Turquia o posto de maiores taxas nominais da lista (40% ao ano, frente aos 50% da Turquia), mas também enfrenta um quadro de inflação altíssima, o que acaba derrubando as taxas reais.

Considerando apenas as taxas de juros nominais, sem levar em conta a inflação, o Brasil continuou na sexta posição geral na lista de 40 economias. 

A marca de 10,5% ao ano foi superada apenas pela Turquia (50%), Argentina (40%), Rússia (16%), Colômbia (11,75%) e México (11%).

Relacionadas